Os Amigos da Dona de Casa

sexta-feira, 6 de Dezembro de 2013

Nelson Mandela

1918-2013

Que a Humanidade aprenda a ser mais como Nelson Mandela.



terça-feira, 12 de Novembro de 2013

Dos 2 primeiros dias de creche na Noruega

Ora bem, ontem estávamos uma pilha de nervos... eu pelo menos estava.

O Miguel estava meio excitado, meio nervoso. Lá queria ir, mas de repente já não queria, depois queria...

Às 7h30, já estavamos à porta da creche. O espaço é todo aberto, as crianças podem circular por toda a creche, em todas as salas, desde as dos mais pequenitos até à sala dos maiores. 

Fomos cumprimentados por uma senhora "grande" e coradinha de seu nome May-Britt e ele mostrou-lhe o puzzle da quinta e ficaram a brincar. Lá fomos embora, ele deu-nos uns beijinhos e saímos.

Por volta das 14h, fomos buscá-lo, completamente aflitos, eu estava agoniada  de ansiedade, que ele estivesse a chorar, cheio de birra, mas não... estavam com o fato de chuva na rua (esteve um temporal horrível ontem) a comer umas tostas e todos satisfeitos.

Viemos para casa e eu reparei que ele estava rezingão, não queria comer,não queria tomar banho, não queria nada, só me queria dar beliscões, puxar as bochechas... perguntei-lhe o que se passava e ele disse-me "tou zangado contigo" e eu perguntei porquê ao que ele me respondeu "não gôto de ti". Caiu-me tudo!!! 

Fiquei tão triste ao ouvir aquilo e associei ao facto dele ter ficado na creche, onde não percebe ninguém, onde ninguém o percebe e é difícil a comunicação até mais básica.

Hoje não queria ir, mas depois de lhe termos dito que ia levar a mochila porque era dia de irem passear ao bosque, lá ele ficou mais animado.

Hoje de manhã, conheceu a Mirjam (Miriam) que esteve com ele a fazer legos e uns enfiamentos e ficou lindamente. 

Fomos buscá-lo às 13h e estavam no recreio - e sim, aqui com mau tempo eles continuam a ir ao recreio, chuva, sol, neve... nada é motivo para não irem brincar. Estava todo satisfeito porque tinham ido ao bosque, tinha comido as 2 sandes, água bolachas e maçã e tinha ido para as ervas e tocado nos pinheiros. Foi pedir água à cozinha da creche e veio todo satisfeito com uma tosta que lhe deram 

E agora tenho de ir limpar o fato da chuva dele, porque está cheio de lama, bem como as galochas.

Em baixo deixo-vos 3 imagens de mais ou menos aquilo que eles usam aqui nas creches - roupa super-prática que se veste em 3 tempos e os deixa à vontade, mas que é cara "pra caneco". Nenhuma fica em menos de 250nok, cerca de 30€. Sendo que eles precisam de deixar roupa na creche e ainda ter o mesmo tipo de roupa em casa :(

P.S. - o 3º fato, macacão, é espectacular para usar em casa - é dar banho, vestir umas cuecas ao rapaz e vestir o macacão e se ele adormecer, não faz mal nenhum. Super-prático.


sábado, 9 de Novembro de 2013

11 meses depois...

Olá a todas,
espero que esteja tudo bem convosco. Nao tenho tido qualquer tempo para escrever seja o que for nem de visitar os vossos cantinhos. Não é por mal, mas é porque há tanta coisa para tratar e para fazer e trabalho muitas horas. Muitas das vezes passo pelo FB e faço scroll down e é tudo.

Bem, mas agora que estou sentada no sofá a usufruir de um sábado em família, lembrei-me de aqui vir e contar-vos as novidades.

11 meses depois, estou com o meu marido e o meu filho na Noruega. A semana passada fomos a Portugal buscar o nosso menino e agora estamos os 3 na nossa casinha.

Pois é, neste tempo, conseguimos comprar um carrito (um VW Polo de 1995) e conseguimos alugar uma casinha só nossa que fica a cerca de 6 km do nosso local de trabalho. Deixamos a casa do staff e viemos para um sítio só nosso. Uma casinha que fica numa urbanização toda nova, que ainda tem montes de casas por construir. Temos um pequeno terraço com sofás para descansar e uma pequena casinha para pôr as bicicletas e o set de pneus de inverno.

Assim que conseguimos a casa (foi mais fácil do que estava à espera), fizemos a inscrição do nosso filho na kommune para um lugar na creche. Estávamos com receio que não fosse possível, mas ao fim de 1 semana conseguimos uma resposta positiva. Uma creche a cerca de 4 km da nossa casa. 

A vida aqui não é fácil, o trabalho é stressante, o facto de não dominarmos a língua é um entrave a não conseguirmos outro tipo de trabalhos, sentimo-nos sós porque não temos amigos aqui. Faz-nos falta ter alguém com quem falar, uns amigos para descontrairmos. O pessoal do restaurante não tem filhos, pelo que os momentos de descontração deles passa por irem para as discotecas e beberem a valer. Isso não é mesmo a nossa cara.

O bom da situação é que continuo a pagar a minha casa em Portugal, pago a casa aqui e o resto das despesas e ainda ponho dinheiro na poupança.

Agora a nossa maior preocupação é saber como o pequenino vai reagir à creche, se vai conseguir dominar a língua e se vai conseguir fazer amigos.

Só o tempo o dirá.

Beijocas


quinta-feira, 16 de Maio de 2013

Que transporte usar?

Olá meninas,

quando aqui cheguei, e porque não tinha dinheiro nenhum, comecei a ir a pé para o trabalho - todos os dias fazia cerca de 5km's para ir trabalhar e mais 5kms para chegar a casa. Demorava, no total, 2 horas - sim, 1 hora em cada percurso que isto de andar na rua com temperaturas negativas tem o seu custo.

Depois, quando comecei a receber gorjetas  (são divididas por todo o pessoal) comecei a pagar bilhete de autocarro - que maravilha, que conforto e são tão quentinhos. Mas dar 30coroas (quase 4€) pelo bilhete também custa.

Agora que tenho cá o marido, vou de bicicleta - também custa um bocadinho, mas demoro menos tempo (cerca de 20min) e a médio prazo não há-de custa nada e o físico agradece.

Não sei como é nas outras regiões norueguesas, mas nesta zona de Rogaland, existem ciclovias em todo o lado, praticamente todos os caminhos têm sempre uma via reservada aos peões, bicicletas, esquis, patins... e por isso consigo ir tranquila. Se tivesse de ir na estrada não iria, tornava-se perigoso.

O mais engraçado é que a bicicleta tem tanto destaque aqui que todos os parques de estacionamento dos centros comerciais, das empresa e mesmo das escolas estão preparados para receber bicicletas em grande número. Vemos imensos aqueles atrelados com 2 crianças lá dentro a dormir enquanto o pai ou a mãe pedalam tranquilamente para os levar para casa.

Aqui ninguém nos olha de lado por irmos todos equipados e com refletores, capacete, tapa-montanhas... não nos sentimos bichos.

"Mas pronto... se fosse de carro era bem melhor", diz a preguiça .

(a minha bicicleta, capacete, luvas e gola para o pescoço e cara)


Do meu quotidiano - algumas fotos

A varanda da casa, onde o pessoal descontrai um pouquinho

A recente estufa criada pelo meu marido e pelo meu irmão, com espinafres, alface, rucula, rabanetes, pepino, tomate, erva-cidreira e pimentos. 

Aqui perto da casa

Uma das voltinhas de bicla do marido aqui perto



A nossa primeira voltinha (sim, sou eu a moçoila de encarnado)



A nossa primeira ida a Satavanger



A catedral de Stavanger

Ao pé da catedral esta é a vista

A área dos bares

No museu do petróleo


O dia estava tão frio que o capuccino e o pão de chocolate souberam maravilhas.

Hoje é o meu Dia da Mãe

Porque hoje chegou uma encomenda com a minha prendinha. Estou muito feliz, estes miminhos sabem sempre muito bem. E cheira tão bem :)


sexta-feira, 19 de Abril de 2013

Mais novidades da minha nova vida

Olá meninas,

já há bastante tempo que não vinha aqui ao blog, por preguiça, por desmotivação ou simplesmente por cansaço devido ao excesso de trabalho.

Ora bem, desde a última vez que escrevi no blog estava sozinha, sem marido nem filho aqui nesta terra fria. Mas no dia 31 de Março (domingo de Páscoa) regressei a Portugal para ir buscar o marido - chegámos os 2 dia 8 de Abril.

O meu pequenino ficou com os meus pais, mudámo-lo de creche a meio do ano lectivo e foi a melhor decisão que tomámos. O pequenino está numa creche mesmo em frente à casa dos meus pais, com uma equipa super dedicada, gente de eu conheço pessoal e profissionalmente, com uma nova equipa de intervenção Precoce (que trabalha duma forma totalmente diferente - bem melhor - muito mais interventiva na rotina do M.) e ele anda feliz. Se calhar bem mais feliz que os pais (eu e o P. andamos desgastados por o termos deixado lá).

O P. já começou a trabalhar - está também no mesmo restaurante que eu, mas na parte da cozinha. Aos 35 anos tem de aprender uma nova profissão e ainda por cima tem de se adaptar a uma série de gente nova (nova em idade e mentalidade) e adaptar-se a um país com uma língua totalmente diferente, sendo que o inglês dele é muito básico :( não está a ser nada fácil porque a formação deixa muito a desejar.

Se é isto que eu desejo para a minha vida? NÃO

Se esta é a situação ideal? NÃO

Se neste momento ainda me apetece ir viver para Portugal? SIM

Mas, a minha conta bancária já não se encontrava em situação tão positiva há uns bons 10 anos. Consigo pagar tudo e ainda ter saldo positivo na conta. Nunca demorei tão pouco tempo a ir para o trabalho e a regressar a casa (20min.). E por incrível que pareça ando de bicicleta em vez de autocarro - vamos às compras de bicla vou para o trabalho de bicla, esteja sol ou chuva (ai, esta 5ª feira choveu tanto e fez tanto vento).

Aliás, esta terra não pára só porque chove, aqui os habitantes continuam a usar a bicla, ou a fazer os seus passeios, ou o seu jogging só porque está frio ou porque chove ou caiem uns flocos de neve.

A rotina torna-se mais fácil com o meu marido aqui, mas quando começo a pensar em demasiado dou por mim a fazer as seguintes perguntas:

-Quando vou conseguir alugar uma casa aqui para trazer o meu pequenino e conseguirmos ser uma família, sabendo que pedem sempre 2 a 3 meses de caução e sabendo que têm grandes reticências em alugar a estrangeiros?

-Quando tiver aqui o meu pequenino, será que ele se vai adaptar a uma nova realidade, a uma nova língua, sabendo que ele tem que ter terapia de fala e que ninguém aqui fala português nas creches?

-Será que vamos conseguir dar-lhe a educação que queremos, será que as escolas são boas?

-Será que estando os 2 a trabalhar por turnos, vamos conseguir pagar a uma babysitter para ficar com o M. quando estamos a fazer o fecho do restaurante?

Nestas incertezas todas só sei que não quero fazer isto o resto da minha vida, mas começo a pensar que aos 35 anos de idade estou a ficar velha para mudar a minha vida toda e ainda penso que deveria estar louca quando pensei em vir para cá.

Que ninguém pense que é fácil, que mudar de vida é piece of cake, ou canja de galinha, porque não é.

Beijos grandes a todas.

sábado, 26 de Janeiro de 2013

Esta manhã a paisagem estava assim



Hoje às 9h a paisagem era esta... são 13h30 e e ainda não parou de nevar... quem é que tem de fazer 1 hora a pé para o traballhao e depois 1 hora a pé no regresso a casa?? Euzinha :(

Mas apesar de tudo, a paisagem é linda - vou calçar as minhas botas e aventurar-me pelos caminhos branquinhos.

segunda-feira, 21 de Janeiro de 2013

As saudades são o pior

As saudades da família, do meu filho, de me zangar com ele e de simplesmente ouvir a voz dele, de ouvir a voz do meu marido, de andar de mão dada com eles, do aconchego do lar, de ter as minhas coisas sempre à mão, do aconchego de um beijo de bom dia, de ouvir gritos, gargalhadas, do meu sofá, do meu espaço e da minha privacidade.

Sinto-me triste cada vez que falo com o meu marido e o meu pequenote não quer falar comigo ou só diz olá e vai-se logo embora para ir ver os desenhos animados. Sinto-me dispensável. 


Trabalhar no estrangeiro, e estar longe da família e com 16 pessoas que não se conhece de lado nenhum numa casa gigantesca, é obra. É dificil!

Se não tivesse fé e esperança num futuro melhor já tinha voltado para Portugal.

Os dias têm estado lindíssimos, com um belíssimo sol, apesar das temperaturas negativas.

A Noruega, e este pedacinho onde estou, é tão diferente de Portugal.

Todos os dias vou a pé para o trabalho e venho - cada percurso são cerca de 5kms - e demoro 1 hora a ir e 1 hora a regressar. Ter carro aqui é impensável neste momento, os autocarros, apesar de pontuais, não existem ao fim-de-semana. Ao domingo não se passa nada, nada mesmo - está tudo fechado e só o restaurante onde estou é que abre e mesmo assim das 13h às 22h.

Todas as estradas têm uma ciclovia para bicicletas, carrinhos de bebé e peões. A hora de ponta é às 7h da manhã e às 16h30. Vejo muita gente de bicicleta, e os carros param para elas passarem.

Os noruegueses conduzem muito mal, cortam as curvas, aceleram à maluca, entram nos cruzamentos tipo doidos, mas têm cuidado com as bicicletas.

E a quantidade de crianças que existe neste país? E a quantidade de grávidas neste país? Minha nossa, tantas grávidas - este país é mesmo pro-natalidade.

E pronto, já desabafei um pouquinho. E por aí, what's up?


sexta-feira, 11 de Janeiro de 2013

Por terras novas

@ Stavanger

Já cheguei e é tudo diferente.
Hoje de manhã estavam -7º; são todos muito altos e louros de olho azul; não há trânsito; há muito carrinho de bebé e muita gente de bicicleta e a fazer jogging.

E por agora é isto. 

Marido e filho em Portugal... e o meu coração do tamanho de uma ervilha. 

sábado, 15 de Dezembro de 2012

SIC Mulher: Annabel Langbein

A ver o programa de culinária de Annabel Langbein, que maravilha de receitas e que beleza de ingredientes.

http://www.annabel-langbein.com/ 

Noruega - Roupa

Tenho de comprar para levar

1 casaco quente, bem quente, porque o tempo lá está muito agreste

1 botas que não deixem passar a chuva, com cano alto porque a neve chega quase ao joelho e que sejam quentinhas.

Posto isto, onde posso eu ir às compras?

sexta-feira, 14 de Dezembro de 2012

A minha partida e os porquês

No dia 2 de Dezembro entrei numa empresa de telecomunicações sem saber bem o que fazer.
Com o tempo conheci pessoas fabulosas, fiz novos amigos e aprendi muito.
3 anos depois, e por causa de medidas do presente e má gestão do passado fui dispensada. Ontem foi um dia muito difícil porque me despedi de todos os que conheci.

Não venho de mãos a abanar, mas também não venho rica.

Como não sou pessoa de ficar parada e a ter só disponível o subsídio de desemprego, depois de alguns tempos de desalento e de baixa-estima, agarrei uma boa oportunidade. Mesmo que isso signifique separar-me do meu filho e marido por uns meses, sei que depois vai compensar quando eles estiverem comigo. Seremos uma melhor família, uma família com mais oportunidades, com mais tempo, com mais disponibilidade para tudo. Tenho de acreditar que sim.

Por isso, o blog vai ter de parar um bocadinho porque tenho muita coisa para fazer, incluindo estudar uma língua nova. Tenho muita coisa para tratar antes de ir, para o meu marido não ficar sobrecarregado, tenho de ir comprar roupa bem quente, porque tenho família à minha espera.

O lugar de eleição é a Noruega e vou dia 9 de Janeiro.

Eu acredito que existe uma vida melhor do que aquela que tenho aqui, sempre a contar os tostões no fim do mês. Vamos dar um passo em frente e sair daqui enquanto temos oportunidade. 

Talvez ainda passe aqui para vos desejar Feliz Natal, mas nesta altura tenho tanta coisa para tratar que não posso prometer nada.

Uma boa vida para todas vocês.




quinta-feira, 29 de Novembro de 2012

domingo, 4 de Novembro de 2012

Já carpi

Já carpi as minhas mágoas, a minha tristeza, o meu desapontamento... é duro saber que dia 13 de Dez já não vou trabalhar e que dia 26 de Dez. vou meter os papeis para o sub de desemprego.

Após o meu estágio, sem perspectivas de trabalho, arregacei as mangas e inscrevi-me na Telepizza. Fui aceite para sub-gerente numa área que não conhecia. Em 2 anos passei de sub, para responsável de vendas e Gerente. Estive na empresa durante 5 anos. Não ganhava mal.

Contudo, depois de ter o meu filho, não queira trabalhar por turnos, queria prioritarizar a minha família, queria estar com eles durante o fds e os feriados. Por isso, quando apareceu a oportunidade para ser assistente administrativa nesta empresa, aceitei, mesmo sabendo que ia ganhar menos. 

Quando lá entrei, a empresa tinha acabado de ganhar um projecto grande... era uma escalada, e 3 anos depois, nunca fez tanto sentido o provérbio, "quanto mais alto se sobe, maior é a queda"... e a sede decide começar a cortar postos de trabalho, como se isso fosse resolver um problema maior. 

Mas enfim... nisto tudo o que mais me custa é que começam sempre pelas posições mais pequeninas, que menos mossa provocam no orçamento porque são consideráveis prescindíveis. 

E agora, que já escrevi sobre o assunto, está na hora de arrebitar e voltar a dar vida ao blog.

Mas é difícil, quando o orgulho está ferido 

quarta-feira, 24 de Outubro de 2012

Resultados do Gym

Oh, yeah, oh yeah...

comecei com 67.4 (no inicio de Outubro) e hoje de manhã pesei-me e 

66.2 kg

e sem qualquer restrição alimentar.

Neste dia horrível de chuva e trovoadas, nada me vai estragar este sentimento de sucesso.

Oh pra mim tão contentinha !!

RUN TANIA RUN!!

segunda-feira, 22 de Outubro de 2012

Alface - dica

Olá meninas,

Aqui fica uma dica para guardar e manter durante alguns dias a alface :

Se não tem escorredor de legumes (daqueles que giram e giram) e para que alface fique sempre à disposição lave-a, coloque num tupperware e coloque a tampa.

Depois, vire o tuperware ao contrário e deixe ficar. De tempo a tempo, abra um bocadinho da tampa (um cantinho) para que a água que escorreu das folhas saia. Volte a tapar e repita o processo, até que não saia água nenhuma.

A alface mantém alguma humidade e sempre que a quiserem usar, é só tirar do recipiente e ripar e comer... voilá.

sábado, 20 de Outubro de 2012

Poupar no detergente da roupa - truque

E aqui fica um pequeno truque para lavar a roupa na máquina e poupar no detergente:

adicione no copo ou no depósito do detergente metade da dose habitual de detergente e em seguida junte o resto em vinagre. 

A roupa não vai ficar com o cheiro do vinagre, mas sim com o cheiro do detergente.

Cá em casa é assim :)

Bom fim-de-semana